Hortoprev - Previdência Social

Entidades Credenciadas

Instituições Credenciadas e Fundos Analisados

 

Instituições Financeiras Validade 
AZ QUEST INVESTIMENTOS LTDA 29/07/2024
BANCO BNP PARIBAS BRASIL S.A. 06/06/2023
BANCO BRADESCO S.A. 09/09/2022
BB GESTAO DE RECURSOS DTVM S.A. 14/12/2022
BEM DTVM 15/03/2023
BRAM - BRADESCO ASSET MANAGEMENT S.A. DISTRIBUIDORA DE TITULOS E VALORES MOBILIARIOS 13/09/2022
CAIXA ECONOMICA FEDERAL 30/10/2022
ITAÚ UNIBANCO S.A. 24/02/2023
PRIVATIZA AAI LTDA 23/02/2023
SCHRODER INVESTMENT MANAGEMENT BRASIL LTDA. 20/10/2022
XP ALLOCATION ASSET MANAGEMENT LTDA 15/03/2023
XP INVESTIMENTOS CCTVM SA 15/03/2023
BANCO DO BRASIL S.A. 14/12/2022
CAIXA DISTRIBUIDORA DE TITULOS E VALORES MOBILIARIOS S.A. 29/03/2023

 

Fundos de Investimento Validade 
AZ QUEST SMALL MID CAPS FIC FI DE AÇÕES 29/07/2024
BB PREVIDENCIÁRIO RENDA FIXA ALOCAÇÃO ATIVA FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDOS DE INVESTIMENTO 14/12/2022
BB PREVIDENCIÁRIO RENDA FIXA IMA-B TÍTULOS PÚBLICOS FUNDO DE INVESTIMENTO 14/12/2022
BB PREVIDENCIÁRIO RENDA FIXA IRF-M1 TÍTULOS PÚBLICOS FIC FI 14/12/2022
BRADESCO FUNDO DE INVESTIMENTO EM ACOES MID SMALL CAPS 13/09/2022
CAIXA FIC BRASIL GESTAO ESTRATEGICA RF 30/10/2022
FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL IDKA IPCA 2A TITULOS PUBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO 30/10/2022
ITAÚ AÇÕES DUNAMIS FICFI 24/02/2023
ITAU ACOES MERCADOS EMERGENTES INVESTIMENTO NO EXTERIOR FUNDO DE INVESTIMENTO EM COTAS DE FUNDO DE INVESTIMENTO 13/09/2022
ITAU INSTITUCIONAL ALOCAÇÃO DINAMICA RENDA FIXA FICFI 24/02/2023
MS GLOBAL OPPORTUNITIES FICFIA IE 15/03/2023
SCHRODER SUSTENTABILIDADE AÇÕES GLOBAIS FICFIA INVESTIMENTO NO EXTERIOR 20/10/2022
FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA INDEXA BOLSA AMERICANA MULTIMERCADO LONGO PRAZO 17/03/2023
FUNDO DE INVESTIMENTO CAIXA BRASIL TITULOS PUBLICOS RENDA FIXA LONGO PRAZO 28/03/2023
ITAÚ WORLD EQUITIES FUNDO DE INV EM COTAS DE FDOS DE INV EM AÇÕES INVESTIMENTO NO EXTERIOR 12/04/2023

 

 Critérios para credenciamento

 

1.1.  Diretrizes para a seleção e credenciamento de prestadores de serviços

 

A seleção dos prestadores de serviços deverá ser realizada mediante análise prévia das condições abaixo listadas.

 

1.1.1.     Gestores e administradores de renda fixa

 

Para os gestores e administradores de renda fixa, entende-se que estes devem atender minimamente:

 

  1. Autorização para funcionamento expedida pelo Banco Central, CVM ou outro órgão competente;
  2. Observação de elevado padrão ético e de conduta nas operações realizadas no mercado financeiro, sendo monitorado através da quantidade de processos administrativos sancionadores CVM em andamento nos últimos 5 (cinco) anos;
  3. Regularidade fiscal e previdenciária;
  4. Patrimônio administrado (se administrador) e gerido (se gestor) da instituição especificamente em renda fixa acima de R$ 10.000.000,00 (dez bilhões de reais);
  5. Tempo de atuação no mercado mínimo de 15 anos;
  6. Corpo técnico minimamente qualificado mediante apresentação de currículos dos funcionários com formação e experiência profissional, bem como certificações obtidas;
  7. Segregação de atividades adequada;
  8. Risco e retorno de fundos geridos e/ou administrados dentro dos padrões de mercado (análise individuais de produtos investidos ou de potencial investimento, conforme diretrizes de credenciamento de fundos de investimentos);
  9. Se houver distribuidores terceirizados, estes devem ser apresentar autorização para funcionamento emitido pela CVM e cópia de contrato de distribuição;
  10. Estar presente na lista das instituições que cumprem o Artigo 15º da CMN 4963/2021 divulgada pela Secretaria da Previdência Nacional (justifica-se a ausência nesta lista apenas se a instituição trabalhar com fundos onde a outra administradora/gestora possua este requisito cumprido);
  11. Classificação efetuada por agência classificadora de risco em funcionamento no País, como de baixo risco de crédito ou de boa qualidade de gestão e de ambiente de controle de investimento;
  12. Ser aderente a pelo menos um código de regulamentação ANBIMA;
  13. Outros critérios que possam surgir derivados da especificidade do tema abordado ou decorrentes de exigências legais.

 

1.1.2.     Gestores e administradores de renda variável

 

Para os gestores e administradores de renda variável, entende-se que estes devem atender minimamente:

 

  1. Autorização para funcionamento expedida pelo Banco Central, CVM ou outro órgão competente;
  2. Observação de elevado padrão ético e de conduta nas operações realizadas no mercado financeiro, sendo monitorado através da quantidade de processos administrativos sancionadores CVM em andamento nos últimos 5 (cinco) anos;
  3. Regularidade fiscal e previdenciária;
  4. Patrimônio administrado (se administrador) e gerido (se gestor) da instituição em fundos de ações acima de R$ 800.000.000,00 (oitocentos milhões de reais);
  5. Tempo de atuação no mercado mínimo de 10 anos;
  6. Corpo técnico minimamente qualificado mediante apresentação de currículos dos funcionários com formação e experiência profissional, bem como certificações obtidas;
  7. Segregação de atividades adequada;
  8. Risco e retorno de fundos geridos e/ou administrados dentro dos padrões de mercado (análise individuais de produtos investidos ou de potencial investimento, conforme diretrizes de credenciamento de fundos de investimentos);
  9. Se houver distribuidores terceirizados, estes devem apresentar autorização para funcionamento emitido pela CVM e cópia de contrato de distribuição;
  10. Estar presente na lista das instituições que cumprem o Artigo 15º da CMN 4963/2021 divulgada pela Secretaria da Previdência Nacional (justifica-se a ausência nesta lista apenas se a instituição trabalhar com fundos onde a outra administradora/gestora possua este requisito cumprido);
  11. Classificação efetuada por agência classificadora de risco em funcionamento no País, como de baixo risco de crédito ou de boa qualidade de gestão e de ambiente de controle de investimento;
  12. Ser aderente a pelo menos um código de regulamentação ANBIMA;
  13. Outros critérios que possam surgir derivados da especificidade do tema abordado ou decorrentes de exigências legais.

 

1.1.3.     Gestores e administradores de investimentos no exterior

 

Para os gestores e administradores de investimentos no exterior, entende-se que estes devem atender minimamente:

 

Instituições constituídas no Brasil:

 

  1. Autorização para funcionamento expedida pelo Banco Central, CVM ou outro órgão competente;
  2. Observação de elevado padrão ético e de conduta nas operações realizadas no mercado financeiro, sendo monitorado através da quantidade de processos administrativos sancionadores CVM em andamento nos últimos 5 (cinco) anos;
  3. Regularidade fiscal e previdenciária;
  4. Patrimônio total administrado (se administrador) e gerido (se gestor) da instituição constituída no Brasil acima de R$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de reais);
  5. Tempo de atuação no mercado, da instituição constituída no Brasil, mínimo de 15 anos;
  6. Corpo técnico minimamente qualificado mediante apresentação de currículos dos funcionários com formação e experiência profissional, bem como certificações obtidas;
  7. Segregação de atividades adequada;
  8. Risco e retorno de fundos geridos e/ou administrados dentro dos padrões de mercado (análise individuais de produtos investidos ou de potencial investimento, conforme diretrizes de credenciamento de fundos de investimentos);
  9. Se houver distribuidores terceirizados, estes devem apresentar autorização para funcionamento emitido pela CVM e cópia de contrato de distribuição;
  10. Estar presente na lista das instituições que cumprem o Artigo 15º da CMN 4963/2021 divulgada pela Secretaria da Previdência Nacional (justifica-se a ausência nesta lista apenas se a instituição trabalhar com fundos onde a outra administradora/gestora possua este requisito cumprido);
  11. Classificação efetuada por agência classificadora de risco em funcionamento no País, como de baixo risco de crédito ou de boa qualidade de gestão e de ambiente de controle de investimento;
  12. Ser aderente a pelo menos um código de regulamentação ANBIMA;
  13. Outros critérios que possam surgir derivados da especificidade do tema abordado ou decorrentes de exigências legais.

 

Instituições constituídas no exterior (a ser comprovado juntamente com o processo da instituição brasileira):

 

  1. Patrimônio total da instituição constituída no exterior acima de US$ 5.000.000.000,00 (cinco bilhões de dólares dos Estados Unidos da América), conforme Art. 9º, Inciso I da CMN 4963/2021;
  2. Tempo de atuação no mercado, da instituição constituída no exterior, mínimo de 30 anos;
  3. Outros critérios que possam surgir derivados da especificidade do tema abordado ou decorrentes de exigências legais.

 

1.1.4.     Gestores e administradores de fundos estruturados

 

  1. Autorização para funcionamento expedida pelo Banco Central, CVM ou outro órgão competente;
  2. Observação de elevado padrão ético e de conduta nas operações realizadas no mercado financeiro, sendo monitorado através da quantidade de processos administrativos sancionadores CVM em andamento nos últimos 5 (cinco) anos;
  3. Regularidade fiscal e previdenciária;
  4. Patrimônio administrado (se administrador) e gerido (se gestor) da instituição em fundos estruturados acima de R$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de reais);
  5. Tempo de atuação no mercado mínimo de 10 anos;
  6. Corpo técnico minimamente qualificado mediante apresentação de currículos dos funcionários com formação e experiência profissional, bem como certificações obtidas;
  7. Segregação de atividades adequada;
  8. Risco e retorno de fundos geridos e/ou administrados dentro dos padrões de mercado (análise individuais de produtos investidos ou de potencial investimento, conforme diretrizes de credenciamento de fundos de investimentos);
  9. Se houver distribuidores terceirizados, estes devem apresentar autorização para funcionamento emitido pela CVM e cópia de contrato de distribuição;
  10. Estar presente na lista das instituições que cumprem o Artigo 15º da CMN 4963/2021 divulgada pela Secretaria da Previdência Nacional (justifica-se a ausência nesta lista apenas se a instituição trabalhar com fundos onde a outra administradora/gestora possua este requisito cumprido);
  11. Classificação efetuada por agência classificadora de risco em funcionamento no País, como de baixo risco de crédito ou de boa qualidade de gestão e de ambiente de controle de investimento;
  12. Ser aderente a pelo menos um código de regulamentação ANBIMA;
  13. Outros critérios que possam surgir derivados da especificidade do tema abordado ou decorrentes de exigências legais.

 

1.1.5.     Gestores e administradores de fundos imobiliários

 

  1. Autorização para funcionamento expedida pelo Banco Central, CVM ou outro órgão competente;
  2. Observação de elevado padrão ético e de conduta nas operações realizadas no mercado financeiro, sendo monitorado através da quantidade de processos administrativos sancionadores CVM em andamento nos últimos 5 (cinco) anos;
  3. Regularidade fiscal e previdenciária;
  4. Patrimônio administrado (se administrador) e gerido (se gestor) da instituição em fundos imobiliários acima de R$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de reais);
  5. Tempo de atuação no mercado mínimo de 10 anos;
  6. Corpo técnico minimamente qualificado mediante apresentação de currículos dos funcionários com formação e experiência profissional, bem como certificações obtidas;
  7. Segregação de atividades adequada;
  8. Risco e retorno de fundos geridos e/ou administrados dentro dos padrões de mercado (análise individuais de produtos investidos ou de potencial investimento, conforme diretrizes de credenciamento de fundos de investimentos);
  9. Se houver distribuidores terceirizados, estes devem apresentar autorização para funcionamento emitido pela CVM e cópia de contrato de distribuição;
  10. Estar presente na lista das instituições que cumprem o Artigo 15º da CMN 4963/2021 divulgada pela Secretaria da Previdência Nacional (justifica-se a ausência nesta lista apenas se a instituição trabalhar com fundos onde a outra administradora/gestora possua este requisito cumprido);
  11. Classificação efetuada por agência classificadora de risco em funcionamento no País, como de baixo risco de crédito ou de boa qualidade de gestão e de ambiente de controle de investimento;
  12. Ser aderente a pelo menos um código de regulamentação ANBIMA;
  13. Outros critérios que possam surgir derivados da especificidade do tema abordado ou decorrentes de exigências legais.

 

1.1.6.     Instituições corretoras, distribuidoras e custodiantes

 

Para demais instituições, entende-se que estes devem atender minimamente:

 

  1. Autorização para funcionamento expedida pelo Banco Central, CVM ou outro órgão competente;
  2. Observação de elevado padrão ético e de conduta nas operações realizadas no mercado financeiro, sendo monitorado através da quantidade de processos administrativos sancionadores CVM em andamento nos últimos 5 (cinco) anos;
  3. Regularidade fiscal e previdenciária;
  4. Se distribuidora, cópia de contrato de distribuição;
  5. Se custodiante, patrimônio total custodiado da instituição de no mínimo R$ 10.000.000.000,00 (dez bilhões de reais);
  6. Outros critérios que possam surgir derivados da especificidade do tema abordado ou decorrentes de exigências legais.

 

1.2.  Diretrizes para a seleção e credenciamento dos produtos

 

A seleção dos produtos de investimentos deverá ser realizada mediante análise prévia das condições abaixo listadas.

 

1.2.1.     Investimentos em fundos de renda fixa

 

Os fundos e ativos que receberão investimentos em renda fixa preferencialmente apresentarão os critérios abaixo elencados para fins de credenciamento. Casos que aqui não estejam representados serão avaliados individualmente sob critérios definidos pela Diretoria do instituto, tendo ouvido o Comitê de Investimentos e ratificados pelo Conselho de Administração.

 

Fundos de renda fixa exclusivos de títulos públicos:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Estar constituído no mínimo a 2 (dois) anos;
  4. Ter condomínio aberto e liquidez de resgate de no máximo 30 dias úteis;
  5. Ter patrimônio líquido superior a R$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de reais);
  6. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  7. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

Fundos de renda fixa que contenham crédito privado:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Estar constituído no mínimo a 2 (dois) anos;
  4. Ter condomínio aberto e liquidez de resgate de no máximo 30 dias úteis;
  5. Ter patrimônio líquido superior a R$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de reais);
  6. Ser composto de ativos compatível com as diretrizes de controle de risco de crédito determinados nesta política, inclusive quanto as notas de rating;
  7. Possuir em seu regulamento:
    1. A determinação de alocação exclusiva em ativos de baixo risco de crédito, com base em classificação efetuada por agência classificadora de risco devidamente registrada na CVM ou outro órgão aplicável;
    2. A determinação que o limite máximo de concentração em uma mesma pessoa jurídica, de sua controladora, de entidade por ela direta ou indiretamente controlada e de coligada ou quaisquer outras sociedades sob controle comum seja de 20%;
  8. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  9. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

Fundos de direito creditório (FIDC), cota sênior:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Estar constituído no mínimo a 2 (dois) anos;
  4. Ter condomínio aberto e liquidez de resgate total de no máximo 90 dias úteis;
  5. Ter patrimônio líquido superior a R$ 150.000.000,00 (cento e cinquenta milhões de reais);
  6. Ser composto de ativos compatível com as diretrizes de controle de risco de crédito determinados nesta política, inclusive quanto as notas de rating;
  7. O fundo deve subordinar-se a:
    1. que a série ou classe de cotas do fundo de investimento seja considerada de baixo risco de crédito, com base, entre outros critérios, em classificação efetuada por agência classificadora de risco registrada na CVM ou outra aplicável;
    2. que o regulamento do fundo determine que o limite máximo de concentração em uma mesma pessoa jurídica, de sua controladora, de entidade por ela direta ou indiretamente controlada e de coligada ou quaisquer outras sociedades sob controle comum seja de 20% (vinte por cento);
    3. que seja comprovado que o gestor do fundo de investimento já realizou, pelo menos, dez ofertas públicas de cotas seniores de fundo de investimento em direitos creditórios encerradas e integralmente liquidadas;
    4. que o total das aplicações de regimes próprios de previdência social represente, no máximo, 50% (cinquenta por cento) do total de cotas seniores de um mesmo fundo de investimento em direitos creditórios.

h.      Apresentar, dentre os sistemas de garantia e colateral, o mecanismo de subordinação de quotas, isto é, emissão de quotas subordinadas garantidas pelo originador/cedente dos direitos creditórios.

  1. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  2. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

1.2.2.     Investimentos em fundos de renda variável

 

Os fundos e ativos que receberão investimentos em renda variável preferencialmente apresentarão os seguintes critérios fixados abaixo para fins de credenciamento. Casos que aqui não estejam representados serão avaliados individualmente sob critérios definidos pela Diretoria do instituto, tendo ouvido o Comitê de Investimentos e ratificados pelo Conselho de Administração.

 

Fundos de ações:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Estar constituído no mínimo a 2 (dois) anos;
  4. Ter condomínio aberto e apresentar prazo de resgate de no máximo 30 dias úteis;
  5. Ter patrimônio líquido superior a R$ 200.000.000,00 (duzentos milhões de reais);
  6. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  7. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

1.2.3.     Investimentos no exterior

 

Os fundos e ativos que receberão investimentos no exterior preferencialmente apresentarão os seguintes critérios abaixo detalhados para fins de credenciamento. Casos que aqui não estejam representados serão avaliados individualmente sob critérios definidos pela Diretoria do instituto, tendo ouvido o Comitê de Investimentos e ratificados pelo Conselho de Administração.

 

Renda fixa – dívida externa:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Ter condomínio aberto e liquidez de resgate de no máximo 30 dias úteis;
  4. Ter patrimônio líquido superior a R$ 250.000.000,00 (duzentos e cinquenta milhões de reais);
  5. Apresentar, para os fundos investidos que são constituídos no exterior, individualmente, patrimônio líquido superior a USD 1.000.000.000,00 (um bilhão de dólares);
  6. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  7. Atender, em seu regulamento, a regulação para investidor qualificado nos termos estabelecidos pela CVM;
  8. Não ser fundo de participações com sufixo “investimento no exterior”;
  9. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

Fundos com sufixo “investimentos no exterior”:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Ter condomínio aberto e apresentar prazo de resgate de no máximo 30 dias;
  4. Ter patrimônio líquido superior a R$ 100.000.000,00 (cem milhões de reais);
  5. Apresentar, para os fundos investidos que são constituídos no exterior, individualmente, patrimônio líquido superior a USD 750.000.000,00 (setecentos e cinquenta milhões de dólares);
  6. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  7. Atender, em seu regulamento, a regulação para investidor qualificado nos termos estabelecidos pela CVM;
  8. Não ser fundo de participações com sufixo “investimento no exterior”;
  9. O fundo constituído no Brasil deve adquirir ativos financeiros emitidos no exterior apenas mediante a aquisição de cotas de fundos de investimento constituídos no exterior, incluídas as cotas de fundos de índice;
  10. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

Fundos de ações BDR Nível I:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Ter condomínio aberto e apresentar prazo de resgate de no máximo 30 dias;
  4. Ter patrimônio líquido superior a R$ 100.000.000,00 (cem milhões de reais);
  5. Apresentar, para os fundos investidos que são constituídos no exterior, individualmente, patrimônio líquido superior a USD 750.000.000,00 (setecentos e cinquenta milhões de dólares);
  6. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  7. Atender, em seu regulamento, a regulação para investido qualificado nos termos estabelecidos pela CVM;
  8. Não ser fundo de participações com sufixo “investimento no exterior”;
  9. O fundo constituído no Brasil deve adquirir ativos financeiros emitidos no exterior apenas mediante a aquisição de cotas de fundos de investimento constituídos no exterior, incluídas as cotas de fundos de índice;

 

1.2.4.     Investimentos estruturados

 

Os fundos e ativos que receberão investimentos estruturados preferencialmente apresentarão os seguintes critérios fixados abaixo para fins de credenciamento. Casos que aqui não estejam representados serão avaliados individualmente sob critérios definidos pela Diretoria do instituto, tendo ouvido o Comitê de Investimentos e ratificados pelo Conselho de Administração.

 

Fundos multimercado:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Estar constituído no mínimo a 2 (dois) anos;
  4. Ter condomínio aberto e apresentar prazo de resgate de no máximo 30 dias úteis;
  5. Ter patrimônio líquido superior a R$ 100.000.000,00 (cem milhões de reais);
  6. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  7. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

Fundos de participação:

 

  1. Estar enquadrado na Resolução CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Demonstrar diversificação dos investimentos pelo fundo (ou em potencial investimento) de no mínimo três ativos diferentes;
  4. Identificar todos os principais objetos de exploração ou atividades comerciais de todos os ativos (ou potenciais) do fundo;
  5. Apresentar projetos de desenvolvimento de todos os ativos investidos (ou em potencial investimento) devidamente fundamentados;
  6. Apresentar demonstrações financeiras ou balancetes atualizados de todos ativos investidos (ou em potencial investimento) ou seus emissores, se aplicável;
  7. Apresentar regularidade fiscal, trabalhista e previdenciária de todas as empresas investidas (ou em potencial investimento) ou seus emissores, se aplicável;
  8. Apresentar estatuto ou contrato social de todas as empresas investidos (ou em potencial investimento) ou seus emissores, se aplicável;
  9. A depender do objeto de exploração ou atividade comercial dos ativos investidos, apresentar relatórios de viabilidades econômica, financeira, legal, ambiental e quaisquer outras que sejam necessárias aos projetos de todas as empresas investidas pelo fundo, ou emissores dos ativos, devidamente assinados por profissionais autorizados a exercer a análise;
  10. Apresentar situação presente e projetada da estrutura de governança das empresas investidas;
  11. Apresentar cronograma de investimento e desinvestimento do fundo, que deverão ser coerentes com o perfil de passivo do HORTOPREV;
  12. Prever, em seu regulamento, que as companhias ou sociedades investidas pelo fundo tenham suas demonstrações financeiras auditadas por auditor independente registrado na CVM e publicadas, no mínimo, anualmente;
  13. Prever, em seu regulamento, que não sejam estabelecidos preferência, privilégio ou tratamento diferenciado de qualquer natureza ao gestor e/ou pessoas ligadas em relação aos demais cotistas;
  14. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

Fundos de ações – mercado de acesso:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Estar constituído no mínimo a 2 (dois) anos;
  4. Ter condomínio aberto e apresentar prazo de resgate de no máximo 30 dias úteis;
  5. Ter patrimônio líquido superior a R$ 200.000.000,00 (duzentos milhões de reais);
  6. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  7. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);
  8. Outros critérios específicos a serem analisados de acordo com a especificidade do caso, com a devida justificativa do analista;

 

1.2.5.     Investimentos em fundos imobiliários

 

Os fundos imobiliários que receberão investimentos preferencialmente apresentarão os seguintes critérios fixados abaixo para fins de credenciamento. Casos que aqui não estejam representados serão avaliados individualmente sob critérios definidos pela Diretoria do instituto, tendo ouvido o Comitê de Investimentos e ratificados pelo Conselho de Administração.

 

Fundos imobiliários:

 

  1. Estar enquadrado na CMN 4963/2021;
  2. Ter gestor e administrador aprovados em processo de credenciamento;
  3. Estar constituído no mínimo a 2 (dois) anos;
  4. Ter um volume de negociações no mercado secundário superior a R$ 500.000.000,00 (quinhentos milhões de reais) nos últimos doze meses;
  5. Ter patrimônio líquido superior a R$ 1.000.000.000,00 (um bilhão de reais);
  6. Realizar pagamentos de amortizações mensais ininterruptos a no mínimo vinte e quatro meses;
  7. Apresentar diversificação nos imóveis por região geográfica e locatários;
  8. Não conter ativos emitidos por securitizadoras em sua carteira, ou na carteira de fundos investidos;
  9. Ter histórico de retorno e risco dentro dos padrões de mercado (poderá ser utilizado métodos elencados no ANEXO I desta política, se aplicável);
  10. Se for aplicável ao caso, ter perfil diversificado dos cotistas do fundo (qualidade do passivo);

 

 

 

Onde Estamos

Rua: Alda Lourenço Francisco, 160 - Remanso Campineiro
Hortolândia / São Paulo - CEP: 13184-310

Contatos

Fone/Fax: (19) 3897-3739
superintendencia@hortoprev.hortolandia.sp.gov.br

© 2022 Copyright - Todos os direitos reservados